quarta-feira, 4 de junho de 2008


Dias de Paz.

A vida segue seu rumo, segura de si e inabalável. O fluxo da evolução social não é quebrado por nada e nós humanos, seres com um grau de inteligência vivenciamos tudo e seguimos a corrente.

Inundados com tanta informação, cada um segue sua vida de forma individual em um mundo globalizado, criamos nossos “Mundinhos” em nossas mentes e lá repousamos nossos devaneios, corremos pra lá sempre que a realidade se apresenta assustadora e só saímos quando nosso pesadelo concreto se vai ou não nos parece mais tão assustador.

O caos causado em nossas vidas não nos permite pensar, nos obriga a seguir a corrente da vida e quando percebemos...já estamos com 50 anos e percebemos que a vida ainda nem começou, percebemos que passamos tanto tempo trabalhando e estudando freneticamente, que deixamos passar a felicidade por nossos olhos...

Seus pais não estão mais presentes na sua vida, seus filhos já estão morando sozinhos, seus irmãos já passaram vários natais sem você e seu par é quase um estranho diante de seus olhos. Tudo que conquistou parece não ter o mesmo valor daquilo que perdeu.

Pare e pense neste momento....quantas vezes tirou um momento para você? Quantas vezes disse “Eu te amo mãe”? Já abraçou alguém forte hoje? Para quem você deu Bom dia pela manhã? Visitou seus avós este ano? Presenteou um ente querido no natal passado? Já disse um obrigado hoje?

Agora diga para si mesmo, quantas reclamações fez hoje? Quantas vezes quis mandar alguém catar coquinho? Reclamou do seu trabalho hoje? Reclamou por ter que acordar cedo demais e dormir tarde demais? Reclamou por ganhar pouco? Reclamou do trânsito? Do ônibus lotado? E daquela velinha sentada no trem, ocupando um lugar que poderia ser seu?

Dias de paz...é disso que o mundo precisa....